UEM aposta na acreditação de laboratórios

A U N I V E R S I D A D E Eduardo Mondlane (UEM) está empenhada na acreditação dos seus laboratórios, por forma a certificar a fiabilidade dos resultados e garantir que estes observem padrões internacionalmente aceites.

Para o efeito, a instituição e parceiros realizaram recentemente o seminário de capacitação sobre acreditação de laboratórios, dos quais nove foram aprovados para financiamento com vista ao melhoramento das suas capacidades e 15 com interesse em acreditação.

Para a instituição, a acreditação vai aumentar a sua relevância na contribuição do desenvolvimento de Moçambique que perde anualmente receitas na exportação de alguns produtos para análise, por falta de certificação ou laboratórios aprovados.

Entre as áreas prioritárias de desenvolvimento de capacidades laboratoriais constam asde produtos agrícolas alimentares, pescado, água, controlo de doenças de plantas e animais de importância económica.

Ricardo Velho, engenheiro e consultor, explicou que a UEM deve continuar a fazer o levantamento das condições existentes nas unidades, de acordo com as áreas de actuação e procurar consultoria que oriente as etapas principais a serem cumpridas na constituição de um sistema de gestão de qualidade das mesmas.

“Tendo em conta as normas de acreditação ISO 17025 e ISO 15189 para a criação de uma infra-estrutura adequada de acordo com as regras exigidas, a universidade deve obter garantia através de auditoria interna que verifique se todas as condições são regularmente cumpridas”, sublinhou.

O consultor garante que, havendo condições financeiras para aquisição de equipamento diverso e com apoio técnico necessário, é possível em 18 meses agendar uma auditoria de acreditação.

“Daquilo que me foi apresentado, os laboratórios estão numa fase inicial do processo de aprovação e com apoio técnico, a universidade vai conseguir cumprir”, concluiu.

Joaquim Saíde, director do Centro de Biotecnologia da UEM (CBUEM), fez saber que a sua unidade tem nove laboratórios especializados na investigação e prestação de serviços na área de biologia molecular, especificamente no diagnóstico de doenças em humanos, animais e plantas, caracterização genética e outros.

Segundo o director, o CBUEM ainda não está acreditado, apesar de trabalhar com técnicas avançadas na área de biologia molecular.