Maputo será a capital da dança contemporânea

Maputo será a capital da dança contemporânea

O Vice-Ministro da Cultura e Turismo, Fredson Bacar, procedeu na tarde de ontem, segunda-feira, 20 de novembro, à abertura oficial da 10ª Edição do Festival KINANI e da Bienal de Dança em África, que teve lugar no auditório do Conselho Municipal da Cidade de Maputo.

O festival apresenta peças de companhias e a solo, com performances que ilustram e valorizam a equidade de género e dimensão regional e territorial. As obras são o resultado de atividades de pesquisa e de residências criativas.

No seu discurso, Fredson Bacar afirmou que o Ministério da Cultura e Turismo associa-se ao Festival KINANI e à Bienal de Dança em África com toda naturalidade, como parte da prossecução da agenda do Governo de Moçambique de apoio ao desenvolvimento artístico local, plasmado na Política Cultural e na Estratégia da sua implementação.

“Com a realização da 10ª Edição do Festival Kinani e da Bienal de Dança em África realizamos uma das importantes etapas da cadeia de valor das artes e cultura de Moçambique, sendo que estes dois eventos constituem importantes plataformas de criação de mercados para os profissionais de dança moçambicanos”, disse o governante.

Assim, de 20 a 26 de novembro, Maputo será a capital da dança contemporânea em celebração dos dez anos do Kinani – Bienal Internacional de Dança Contemporânea e do Danse L’Afrique Danse e estão previstos espetáculos, diálogos e encontros em diferentes centros culturais e espaços alternativos da capital do país.

Por outro lado, Quito Tembe, Director do Kinani explicou que “este é um momento para estarmos juntos a celebrar as artes cénicas contemporâneas e o cruzamento de diversos atores do panorama cultural mundial, num cenário onde o pan-africanismo e o respeito pela diversidade vão soar mais alto”.

Os espetáculos serão apresentados na Praça da Independência, Jardim Tunduru, Centro Cultural Franco-Moçambicano, Teatro Avenida, Centro Cultural Moçambique – China, Cine-Teatro Scala, Sé Catedral de Maputo e nos Correios de Moçambique.

África do Sul, Nigéria, Tanzânia, Cabo Verde, Marrocos, Angola Madagáscar, entre outros, são os países convidados para esta bienal que vai transformar a cidade das acácias na capital africana da dança e da arte contemporânea com mais de 34 performances previstas.