TERRORISMO EM CABO DELGADO ”Falta de oportunidades pode propiciar aliciamento de jovens”

A FALTA de oportunidades como emprego, formação e outras iniciativas ocupacionais que assegurem a sua inclusão nos processos de desenvolvimento do país são, alegadamente, fragilidades que os terroristas em Cabo Delegado aproveitam para aliciar os jovens a engrossarem as suas fileiras.
A conclusão é de um debate regional norte sobre o papel dos jovens na prevenção do extremismo violento, havido recentemente na cidade de Nampula. No evento, muitos jovens deixaram clara a sua visão sobre a necessidade de serem parte integrante da construção do país, para que não sejam vulneráveis a qualquer tipo de aliciamento, como aquele que está a acontecer na província de Cabo Delgado, protagonizado pelos terroristas.

Asseguraram, contudo, que eles não aceitam o aliciamento, porque estão cientes de que o que está a acontecer neste momento em Cabo Delgado é um mal que tem como objectivo fundamental travar o desenvolvimento do país. Azarias de Fátima, de Nampula, disse ser com muita tristeza e preocupação que tem acompanhado que muitos jovens são recrutados por bandidos que actuam em Cabo Delgado. Para ele, a falta de oportunidades não pode justificar que os jovens aceitem lutar ao lado dos terroristas, pois estes querem apenas matar pessoas inocentes e destruir infra-estruturas económicas e sociais, tornando ainda mais distante o seu sonho. Armando Zacarias, do Niassa, admitiu ser verdade que o elevado índice de desemprego leva ao aliciamento de alguns jovens.
Porém, disse, os jovens da província do Niassa não aceitam a instrumentalização. Acrescentou que o terrorismo é um grande mal que veio para destruir o país. Por isso, ele vai continuar a sensibilizar os jovens da província para se distanciarem dos terroristas.

Entretanto, Dércio Alfazema, do Instituto para a Democracia Multipartidária (IMD), promotor do evento, disse que além de oportunidades de emprego, é necessário dotar e capacitar os jovens de conhecimentos, através da formação, para que sejam resilientes a aliciamentos para agendas que têm como objectivo fundamental colocar em causa o desenvolvimento do país, como está a acontecer em Cabo Delgado. “Os terroristas exploram as fragilidades existentes no processo de integração dos jovens nos planos de reconstrução de Cabo Delgado e nos grandes projectos em implementação no país, em particular naquela província”, afirmou.

Nampula é a província que alberga maior número de deslocados dos ataques terroristas, com mais de 60 mil pessoas nesta condição, na sua maioria acomodadas no centro de Corrane, distrito de Meconta.