REAJUSTE DA TARIFA DE “CHAPA”: Município e transportadores decidem dialogar

O AUMENTO da tarifa de “chapa” na cidade de Nampula, de 10 para 15 meticais, que devia ter entrado em vigor ontem, não se efectivou, contrariamente ao que havia sido anunciado pela Associação dos Transportadores Rodoviários de Nampula (ASTRA).

Logo nas primeiras horas de ontem, segundo testemunhou a nossa Reportagem, os utentes do “chapa” continuavam a pagar 10 meticais a nível urbano, enquanto se aguarda um encontro, quinta-feira, entre o município e a tutela dos transportadores.

Num comunicado recebido na nossa delegação, o presidente da Associação dos Transportadores Rodoviários de Nampula (ASTRA), Luís Vasconcelos, exorta a todos os transportadores urbanos para que participem no referido encontro, no qual deverá ser discutido o reajuste consensual do preço.

Ontem, um grupo de transportadores da rota Polígono-Waresta já estavam posicionados para paralisar a actividade, mas foi travado pela respectiva agremiação.

“Quando tomei conhecimento da situação, de imediato sensibilizei o grupo de transportadores desta rota, e todos foram unânimes em aguardar o encontro marcado para quinta-feira”, disse Vasconcelos, contactado telefonicamente a partir da nossa Redacção.

Entretanto, Vasconcelos afirmou que os transportadores que se sentirem sufocados com a actual tarifa de 10 meticais, devem parquear as respectivas viaturas, enquanto se aguarda pelo encontro de quinta-feira, a ser orientado pelo presidente do Conselho Municipal, Paulo Vahanle. Na semana passada, refira-se, o Conselho Municipal de Nampula veio a público informar que a ASTRA não tem competência para reajustar o preço de “chapa” sem aprovação dos órgãos municipais.