Novo campus universitário para UniPúnguè em Tete

ARRANCOU na quarta-feira a primeira fase da construção do novo campus da Universidade Púnguè – Extensão de Tete, que compreende um muro de vedação numa área de 22 hectares, no bairro Mpáduè, no município da cidade de Tete. Orçada em mais de 21 milhões de meticais, desembolsados pelo Estado, a construção do muro vai durar dois anos, seguindo-se as obras da Faculdade de Geologia.

A reitora da UniPúnguè, Emília Nhalevilo, revelou que a ideia é concentrar todas as infra-estruturas num único espaço, sendo Mpáduè o local ideal, que responde às preocupações da província.

Apontou que Geologia é a aposta de bandeira da UniPúnguè para a região, esperando-se que sejam erguidasgradualmente mais faculdades, laboratórios, centros de pesquisa e bibliotecas.

Explicou que as actuais instalações, no bairro Matundo, serão redireccionadas após a conclusão das obras de Mpáduè, podendo ser transformadas num Instituto Superior de Cultura, atendendo à diversidade existente neste campo em Manica e Tete, onde a universidade opera.

Nhalevilo fez balanço positivo do desmembramento dos pólos de Manica e Tete da Universidade Pedagógica, o que resultou na UniPúnguè, em 2019. Afirmou que os funcionários e estudantes responderam bem ao desafio mesmo com as adversidades impostas pela Covid-19, que obrigaram à adaptação ao ensino on-line.