Inundações devastam culturas na Manhiça

INSTITUTO Nacional de Gestão e Redução do Risco de Desastres (INGD) estima que as recentes inundações, na Manhiça, afectaram 4074 hectares, dos quais 1845 com culturas diversas.
Entre as culturas dadas como perdidas constam de milho, batata-doce, feijão nhemba, amendoim abobora, cana de açúcar, afectando 1627 famílias.


“A cultura de milho foi a mais afectada, devido ao excesso de água nas machambas”, disse Amir Abdula, delegado do INGD na província de Maputo,

Apontou que os níveis do Incomáti tendem a normalizar-se, não havendo mais a necessidade de mobilização de barcos para garantir a travessia de pessoas e bens nos locais antes isolados.
Amir Abdula disse que as pessoas que queiram entrar e sair do posto administrativo de Xinavane e da localidade de Xihenhice (25 de Setembro) tem como alternativa via terrestre. Os dois drifts que ligam estes dois pontos se encontram submersos.

No dia 15 de Dezembro houve subida do caudal do rio Incomáti no distrito da Manhiça, causada por descargas efectuadas a partir da barragem de Maguga na vizinha África do Sul, tendo ultrapassado o nível de alerta na estação hidrométrica de Magude.

A subida do caudal do rio Incomáti causou inundações que afectaram a população de Xinavane, Ilha Josina Machel, Calanga e área municipal da Manhiça.
Como consequência foram alagadas as áreas agrícolas na zona baixa, subida do caudal do rio Incomáti para 4,75 metros, perda de produção e interrupção de algumas vias de acesso.

Actualmente, há uma descida do caudal do rio Incomáti, consecutivamente as águas que tinham inundado as áreas agrícolas tendem a baixar. Entretanto, a Direcção Nacional de Gestão de Recursos Hídricos (DNGRH) alerta para um rápido incremento dos níveis hidrométricos nas baciais do Incomáti, Limpopo, Save, Búzi, Púngoè, Zambeze e Licungo, devido a chuvas à montante. Por isso a população que vive em zonas susceptíveis a inundações é instada a manter-se em zonas altas e seguras e a evitar a travessia dos rios, cujos escoamentos aumentaram nas últimas semanas.

Neste contexto, o rio Incomati poderá atingir o nível de alerta na estação hidrométrica de Magude, devendo inundar campos agrícolas nas zonas baixas do rio Incomati e condicionar a circulação rodoviária nos troços Maragra -Machubo, Maragra – Calanga, Magude – Chinhanguanine, Magude – Motaze e algumas vias secundárias e terciárias.