Governo elege acções de impacto imediato

Governo elege acções de impacto imediato
Fonte: Jornal Noticias

O SECTOR das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos (MOPHRH) elegeu 35 acções de intervenção imediata, orçadas em dois milhões de dólares (cerca de 130 milhões de meticais), no âmbito do Projeto de Desenvolvimento Urbano do Norte de Moçambique (PDUNM) já na fase efetiva.

O anúncio foi feito segunda-feira na cidade de Nampula pelo Ministro Carlos Mesquita, na I Sessão do Comité Consultivo do PDNUM que reúne Governo, financiadores e implementadores.

O PDNUM é um programa desenhado pelo Governo, com o apoio do Banco de Mundial, orçado em 100milhões de dólares e a ser implementado entre 2022 e 2026. A iniciativa propõe-se a melhorar o acesso a infraestruturas urbanas e às condições de vida em quatro cidades selecionadas na zona norte, designadamente Nampula, Nacala, na província de Nampula, e Pemba e Montepuez, em Cabo Delgado.

“Neste momento estão em curso estudos e projetos para assegurar a implementação plena de todas as componentes aqui mencionadas. No entanto, porque estamos conscientes da necessidade de gerar resultados imediatos, identificámos35 ações de intervenção, na componente infraestrutura urbana e serviços básicos, cujas obras deve Reabilitação de escolas entre as prioridades do Prumais estudantes leem o “Notícias” em Teerão estar prontas neste ano.

 As ações acima referidas compreendem um investimento de cerca de dois milhões de dólares”, anunciou. Segundo o governante, as obras incluem a reabilitação de 10 escolas, três centros de saúde, cinco centros comunitários, dois mercados e iluminação de seis bairros, nos quatro municípios abrangidos pelo projeto.

No final da sua implementação o PDNUM deverá beneficiar 460 mil pessoas, com maior incidência para famílias que vivem nas áreas periurbanas. “Estruturalmente o PDUNM compreende quatro componentes, três das quais fulcrais para a geração de uma transformação efetiva na qualidade de vida da população das cidade salvo, designadamente infraestruturas urbanas e serviços básicos, para apoiar os municípios selecionados a melhorar, beneficiando 460 mil pessoas e promovendo um ambiente urbano mais inclusivo, produtivo e resiliente ao clima”, acrescentou.

Mesquita fez ainda referência aos programas em curso visando melhorar a qualidade de vida das populações através do aumento da provisão e do acesso à habitação social, incremento da cobertura dos serviços de abastecimento de água, saneamento e eletrificação nas zonas urbanas.

“Para o alcance destes objetivos, estão em curso várias iniciativas. Destacamos o programa ‘Habita Moçambique’, que visa criar novas centralidades urbanas método o país, de acordo com a capacidade de renda de cada cidadão.

 Este programa subdivide-se em quatro projetos, nomeadamente: Melhoria, Renascer, Conjuntos Habitacionais e Terra Infraestruturada”, disse.

Fonte: Jornal Noticias