ESTRADAS EM GAZA REVIMO: satisfeita com as obras em execução

A REDE Viária de Moçambique (REVIMO) mostra-se satisfeita com o nível de execução das obras com vista à melhoria da transibilidade nos troços Macia-Praia do Bilene e Macia-Chókwè-Macarretane, na província de Gaza.

Ângelo Lichanga, Presidente do Conselho de Administração da REVIMO, falava na Macia, em Gaza, no final de uma visita de monitoria que visava assegurar o cumprimento dos prazos e a garantia de qualidade nas estradas N101 (Macia-Chókwè), R453 (Macia-Praia do Bilene) e R448 (Chókwè-Macarretane), todas na província de Gaza.

“Estamos satisfeitos com os níveis de execução e com a qualidade das obras em curso. Tudo tem estado a correr conforme o acordado”, admitiu Lichanga, que acredita no cumprimento do prazo de entrega (Outubro).

“De modo global estamos num nível de execução de 36,7 por cento nas estradas intervencionadas (Macia-Praia do Bilene, Macia-Chókwè e Chókwè-Macarretane)”, disse.

O PCA da REVIMO explicou ainda que a primeira fase do projecto termina em Outubro. Nos quatro anos subsequentes o empreiteiro vai fazer a respectiva manutenção, num investimento global de cerca de 2,6 mil milhões de meticais a serem pagos em fases, nomeadamente 60 por cento no primeiro ano e os restantes 40 por cento a posterior. Lichanga afirmou ainda que a instituição que dirige prima pela qualidade das obras.

“Estamos a colocar duas camadas (sub-base e base) de 150 milímetros cada, para além de usarmos cimento, o que confere qualidade para os 15 anos de vida útil projectados. Estamos confortáveis com o que está a ser feito e estamos seguros quanto à qualidade”,disse. Sublinhou que a REVIMO irá explorar as estradas por 20 anos e não tem interesse nenhum em executar um trabalho sem qualidade.

“O empreiteiro estará aqui por um período de cinco anos para assegurar essa qualidade desejada”, acrescentou.

Dos troços intervencionados, o da Macia-Chókwè, numa extensão de cerca de 62 quilómetros, é que se apresentava mais degradado, tendo necessitado de uma intervenção de vulto, que consistiu na remoção da base anterior e a colocação de uma nova e robusta. O da Macia-Praia do Bilene carece apenas de ampliação e reabilitação, por conta dos buracos abertos.

A estrada Macia-Chókwè é tida como estratégica para o escoamento da produção agrária e exploração do turismo cinegético nos parques do Limpopo e Zinave, enquanto a Macia-Praia do Bilene é crucial para o turismo no Bilene.

A intervenção nas três estradas conta com cerca de 500 trabalhadores, cerca de 90 por cento dos quais são moçambicanos, incluindo residentes locais.