Aumenta quantidade de vias pavimentadas em Lichinga

Aumenta quantidade de vias pavimentadas em Lichinga
Jornal Noticias

A EXTENSÃO de vias de acesso pavimentadas, na cidade de Lichinga, no Niassa, vai aumentar, nos próximos tempos, no âmbito dos esforços da autarquia local visando a melhoria constante da mobilidade de pessoas e bens e promover a expansão da urbe com garantia de provisão de serviços básicos.

Para o efeito, arrancam, no mês em curso, as obras de pavimentação da via que liga a cidade de cimento e o bairro suburbano de Chiuaula, onde se localiza o principal mercado grossista da urbe. Avaliadas em cerca de 123 milhões de meticais, as obras compreendem cerca de 1,4 quilómetro, numa zona bastante acidentada da cidade.

 O valor é de receitas próprias e da comparticipação de parceiros de cooperação, devendo ser executada em 12 meses.

 Soubemos, recentemente, na cerimónia de lançamento da primeira pedra, que marcou o início da empreitada, que a mesma vai consistir na construção dobras de arte que incluem valas de drenagem, ponte sobre o rio Luchiringo, lancis e passadeiras, bem assim na terraplenagem da plataforma.

A referida via, com cerca de quatro metros de largura, vai beneficiar da intervenção pela primeira vez, sendo que o projeto prevê o aumento da faixa de rodagem para seis metros, facto que vai criar condições para que o fluxo de veículos aconteça sem constrangimentos. Chin Dejean, diretor-geral da empresa que venceu o concurso público para executar a empreitada, garantiu a resiliência das obras, salientando que os acidentes de relevo da zona exigem que os trabalhos sejam executados com muita responsabilidade.

O autarca de Lichinga, Luís Jumo, alertou aos que usam a Avenida Augusto Assique, nome do segundo presidente do município da cidade de Lichinga, para optarem por vias alternativas, no sentido de facilitar a execução da empreitada. Instou ao empreiteiro a privilegiar a mão-de-obra local, salientando que tal pode contribuir para minimizar as dificuldades que algumas famílias enfrentam.

“Os munícipes não podem construir infraestruturas sociais e comerciais nas parcelas localizadas alongo das áreas de proteção e reserva do Estado para terem indemnizações, porque a autarquia não vai tolerar essas manobras que visam inviabilizar a provisão de serviços municipais”, apelou Luís Jumo.

O Conselho Municipal de Lichinga não vai só pavimentar a denominada estrada da curva perigosa. Segundo Luís Jumo, a fase seguinte, que inicia ainda este ano, contempla a conclusão da via que liga os bairros da Cerâmica, Namacula e Sanjala ao mercado grossista de Chiuaula.

A pavimentação da via de acesso em referência que, para além de promover a mobilidade de pessoas e bens, visa, igualmente, valorizar as zonas abrangidas e estimular o surgimento demovas construções, obedecendo patrões urbanísticos.

Enquanto isso, soubemos que o município de Lichinga acaba de adquirir600 candeeiros de iluminação pública para serem colocados nas vias de acesso aos bairros de Lulimile, Massengele e Chiuaula, a partir da próxima semana, na expectativa de contribuírem para o reforço da segurança.

Fonte: Jornal Noticias