“AFRICANO” DE BOXE DA ZONA IV: País legitimado campeão regional

Moçambique recebeu, na noite de sexta-feira, em Maputo, a taça que lhe confere o título do “Africano” de Boxe da Zona IV, numa cerimónia de gala que contou com todos os pugilistas presentes na campanha, técnicos, dirigentes desportivos, pessoal de apoio e alguns representantes do corpo diplomático dos países que participaram no certame.

Foi o culminar do “Africano” da Zona IV que teve lugar em Maputo, de 20 a 23 do mês corrente, uma prova que terminou em grande confusão depois de a organização atribuir erradamente o título regional à selecção da Zâmbia que, entretanto, caiu para a terceira posição. Moçambique, para chegar ao título, o segundo nos últimos quatro anos, conquistou sete medalhas de ouro, cinco de prata e quatro de bronze, o que totaliza 16.

Segue a África do Sul com 17 medalhas, sendo cinco de ouro, cinco de prata e sete de prata. A Zâmbia fecha o pódio com cinco de ouro, três de prata e outras tantas de bronze, perfazendo 11.

O Botswana, que veio a Maputo defender o título conquistado em 2019, terminou em apenas quarto lugar com sete medalhas, sendo uma de ouro, três de prata e três de bronze.

A grande surpresa foram as ilhas Seychelles que terminaram em quinto, com uma medalha de ouro e outra de bronze. Eswatini terminou em sexto lugar, com seis medalhas, sendo duas de prata e quatro de bronze. O Lesotho ficou em sétimo com quatro medalhas, sendo uma de prata e três de bronze. Já o Malawi segurou a “lanterna vermelha” com apenas uma medalha, de bronze.

O troféu sexta-feira entregue à Federação Moçambicana de Boxe (FMBoxe) foi trazida por um emissário da Confederação Regional de Boxe da Zona IV. As taças de segundo e terceiro classificados pertencentes à África do Sul e Zâmbia foram recebidas pelos respectivos embaixadores acreditados em Moçambique.

Saliente-se que as medalhas foram recebidas na noite de 23 de Abril, dia da final do “Africano” da Zona IV, tanto por Moçambique assim como pelas restantes delegações.

A cerimónia terminou em grande barulho após o erro da organização que inicialmente atribuiu o título à Zâmbia. Moçambique recorreu à Associação Internacional de Boxe (IBA) e à Confederação Africana de Boxe (AFBC), organismos que deram razão ao nosso país e endereçaram sinceras desculpas pelos transtornos causados pelo erro grosseiro.