Abandono de obras preocupa Guijá

O ABANDONO de obras, sobretudo de estabelecimento do ensino por parte de empreiteiros desonestos inquieta as autoridades do distrito de Guijá. A preocupação foi apresentada semana passada pelo respectivo administrador, Jaime Mugabe, durante o informe apresentado à governadora de Gaza, Margarida Mapandzene Chongo, que esteve de visita àquele distrito do sul desta província.
De acordo com Mugabe, os empreiteiros que abandonam as obras contribuem, em parte, para que muitas crianças continuem a estudar em condições precárias. A par disso referiu-se, igualmente, a casos em que as obras não são concluídas por falta de desembolso de dinheiro por parte do Governo.
Durante o seu informe, Mugabe disse ainda que o distrito enfrenta sérias dificuldades por falta de meios circulantes e infra-estruturas para o funcionamento administrativo das localidades, para além da precariedade de algumas vias de acesso e bolsas de fome. Para responder aos desafios apontou algumas acções tendo em vista a atracção de investimento privado para diversos sectores, principalmente no domínio da agricultura, infra-estruturas e comércio.

Em visita de trabalho ao distrito, Margarida Mapandzene Chongo fez uma avaliação positiva dos projectos em execução e referiu que actualmente são visíveis os sinais de desenvolvimento nos domínios social e económico. Ainda assim, a governante orientou as autoridades locais a encontrarem formas cada vez mais sólidas de melhorar a imagem daquele distrito. “A realidade actual de Guijá nos orgulha, mas não podemos cruzar os braços com as conquistas que alcançámos,
antes pelo contrário, vamos trabalhar para que o distrito atinja patamares almejados”, apelou.

A nossa fonte defendeu a união de todos para que se possa inverter as assimetrias com o vizinho distrito de Chókwè. “Temos de trabalhar juntos para que possamos identificar e solucionar os nossos problemas”, frisou a chefe do executivo provincial.