Saúde revitaliza subsistema comunitário

O MINISTÉRIO da Saúde está a revitalizar o subsistema de saúde comunitário, visando melhorar cada vez mais a prestação de serviços sanitários à população.

O facto foi partilhado pela directora nacional-adjunta de Saúde Pública no Ministério da Saúde, Benigna Matsinhe, explicando que actualmente existem três subsistemas de saúde, nomeadamente o público, privado e o comunitário. Os dois primeiros estão bem estruturados e o terceiro trabalha sem legislação ou norma que oriente as suas actividades.
Falando ao “Notícias”, Matsinhe anotou ainda que os actores que intervêm no subsistema comunitário desenvolvem as suas acções sem muito controlo das autoridades da Saúde ou uma organização comum ou ainda padronizada.

“Achamos que deveríamos, primeiro, agregar todos os actores comunitários que temos num único grupo, com competências bem claras do que é que devem fazer, como e onde devem fazer e prestarem contas”, disse.
A mesma fonte avança que a Saúde está a mapear todos os actores e a estabelecer normas de funcionamento para que se possa ter este subsistema controlado.

“Se nós conseguirmos criar este mecanismo e sabermos onde é que eles se encontram, o que estão a fazer e que nos reportem regularmente toda a informação vamos conseguir chegar a locais onde neste momento não temos certeza de estar a oferecer serviços de saúde”, disse.
Esclareceu ainda que, organizando-se este conjunto, ter-se-á uma ideia melhor de como está a cobertura de serviços de saúde por todos os subsistemas.

Para Matsinhe, com esta informação a Saúde terá a certeza da abrangência dos serviços sanitários a nível nacional, sobretudo nas zonas rurais, onde os activistas, agentes polivalentes elementares ou voluntários fazem chegar os cuidados de saúde à população.