Rebelião na Rússia: processo contra Prigozhin não foi encerrado

Rebelião na Rússia: processo contra Prigozhin não foi encerrado
SIC

O líder do grupo paramilitar Wagner, Yevgeny Prigozhin, continua a ser objeto de investigação criminal por rebelião, apesar de o Kremlin ter anunciado um acordo para retirar as acusações, informaram esta segunda-feira as agências noticiosas russas.

“O processo não foi encerrado, a investigação continua”, disse esta segunda-feira uma fonte da Procuradoria-Geral da Rússia, citada pelas três principais agências noticiosas russas.

O Kremlin declarou no sábado à noite que Prigozhin, que está a ser investigado por “apelar a um motim armado”, podia partir para a Bielorrússia sem ser processado, depois de terminada a rebelião militar que se prolongou durante 24 horas.

Rebelião Wagner: as quase 24 horas de Prigozhin a caminho de Moscovo

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, qualificou de rebelião a ação do grupo, afirmando tratar-se de uma “ameaça mortal” ao Estado russo e uma traição, garantindo que não vai deixar acontecer uma “guerra civil”.

Ao fim do dia de sábado, em que foi notícia o avanço de forças da Wagner até cerca de 200 quilómetros de Moscovo, Prigozhin anunciou ter negociado um acordo com o Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko.

Antes, o chefe do grupo paramilitar acusou o Exército russo de atacar acampamentos dos seus mercenários, causando “um número muito grande de vítimas”, acusações que expõem profundas tensões dentro das forças de Moscovo em relação à ofensiva na Ucrânia.

Fonte: SIC