Moçambique quer ser centro de energia renovável na África Austral

Paulina Chiziane ganha o premio carreira

Moçambique está a posicionar-se para se tornar num centro de energia renovável que pode contribuir de forma relevante para a transição energética da África Austral.

Segundo o primeiro-ministro moçambicano deste modo Moçambique pretende também promover a industrialização verde no âmbito da produção de produtos com baixo carbono.

Adriano Maleiane intervinha, esta quinta-feira, num painel sobre o futuro energético justo de África, no arranque da cimeira de Paris, sobre um novo pacto global para o financiamento dos países mais vulneráveis.

O primeiro-ministro moçambicano falou na ocasião das acções em curso para a concretização destes desafios.

Adriano Maleiane defendeu na cimeira de Paris que a arquitectura global para apoiar a transição climática a nível mundial necessita, urgentemente, de aumento de recursos disponíveis e de reforma.

Adriano Maleiane participa naquela cimeira em representação do Presidente da República, Filipe Nyusi.

Na abertura da cimeira de Paris o Presidente Francês, Emmanuel Macron reiterou a necessidade dos países do mundo redefinirem as suas estratégias para o alcance de um novo consenso sobre as mudanças climáticas.

Emmanuel Macron defende que cada estado deve adoptar um modelo e pacote a seguir para fazer face a diminuição da emissão do carbono.

O Secretário-geral da ONU, António Guterres que também fez uma intervenção na abertura da cimeira de Paris, defendeu a necessidade de se melhorar o apoio as economias emergentes e a promoção de acções para o alcance das metas globais sobre o clima.

A cimeira sobre um novo pacto financeiro global para o apoio aos países vulneráveis no âmbito das mudanças climáticas prossegue, esta sexta-feira, no segundo e último dia. 

Fonte:RM