Necessários 1.1 mil milhões para reconstrução pós-Ana e Gombe

A RECONSTRUÇÃO das infra-estruturas públicas e privadas destruídas este ano maioritariamente na cidade da Beira, à passagem das tempestades Ana e Gombe, está calculada em mais de 1.161 mil milhões de meticais.

A informação foi tornada pública quarta-feira, no final da VII Sessão Ordinária do Conselho Executivo Provincial de Sofala, orientada pelo governador Lourenço Bulha.

Fundamentalmente, os custos de reposição são nas áreas da saúde, educação, água e saneamento, energia, estradas e insumos agrícolas.

Basicamente, o encontro fez balanço da época chuvosa e ciclónica 2021-2022, cujo impacto foi consideradobastante severo, com chuvas abundantes e ventos fortes que resultaram em inundações, principalmente na Beira.

Na globalidade, foram afectadas 6137 famílias, oequivalente a 30.937 pessoas, tendo provocado a morte de sete pessoas.

A porta-voz do encontro,  Graciana Pita, adiantou que 2096 casas ficaram totalmente destruídas e 2803 outras parcialmente, além de 4288 inundadas.

Em termos de infra-estruturas públicas, foram atingidas 80 escolas, das quais 17 parcialmente danificadas, num conjunto de 160 salas.

62.902 alunos e 1247 professores ficaram afectados e quatro unidades sanitárias e 288 quilómetros de estradas terraplanadas danificados.

Já no sector da agricultura, foram inundados 145.422 hectares de diversas culturas alimentares, sendo que 42.662 se perderam totalmente