“Mambas” tentam enxugar lágrimas de Dakar no ENZ

“Mambas” tentam enxugar lágrimas de Dakar no ENZ

A SELECÇÃO Nacional de Futebol recebe, amanhã, a partir das 18.00 horas, no Estádio Nacional do Zimpeto, a sua congénere do Senegal, em partida da quarta jornada do Grupo “L” do acesso ao CAN2023, na Costa do Marfim, com a missão de se redimir depois da goleada sofrida (1-5), em Dakar, na sexta-feira. Será mais um teste de fogo à resiliência dos “Mambas” que na sexta-feira tiveram uma noite para esquecer em Dakar, depois de um processo de preparação turbulento em que jogadores e equipa técnica reclamaram de tudo e menos nada, o que de certa forma tirou foco à equipa. Amanhã, Moçambique precisa de ganhar para consolidar o segundo lugar do grupo e, mais do que isso, ficar perto do CAN2023 e reconciliar-se com os seus fervorosos adeptos. A receção ao Senegal terá arbitragem marroquina, dirigida por Jalal Jayed que será coadjuvado por Yahya Nouali e Abdessamad Abertoune. O quarto árbitro é Adil Zourak.Refirase que, primeiramente, a Confederação Africana de Futebol (CAF) havia escalado uma arbitragem camaronesa, mas sem dar quaisquer explicações o organismo continental alterou a equipa escalada. Moçambique ocupa o segundo lugar do Grupo “L” com quatro pontos, menos cinco que o líder Senegal. Ruanda está em terceiro com dois, mais um que o “lanterna vermelha”, Benim.

BILHETES À VENDA

Os bilhetes para o embate de amanhã já estão disponíveis em diferentes pontos de venda da cidade e província de Maputo, a preços de 100 e 200 meticais, respetivamente para as bancadas centrais sol e sombra. São postos de venda, o Cinema Scala, Parque de Estacionamento de Xipamanine, sede da FMF, Matchedje Club e Estádio Nacional do Zimpeto, na cidade de Maputo. Na Matola, os bilhetes estão à venda no Auditório Municipal, antigo Cinema 700 e na Padaria Pão de Lenha na Manduca. São cerca de 30 mil bilhetes disponíveis, sendo que dados apurados pelo “Notícias” indicam que há muita adesão também da vasta comunidade senegalesa baseada em Maputo e não só. De Dakar não há indicação de vinda de adeptos para Moçambique, mas há 50 convites VIP para os senegaleses. SERÁ O

NONO CONFRONTO COM SENEGAL

No Zimpeto, Moçambique e Senegal vão travar o nono duelo entre si, com o saldo a ser esmagadoramente desfavorável aos “Mambas”. Aliás, a Seleção Nacional de Futebol procura amanhã a sua primeira vitória diante do Senegal, depois de oito confrontos anteriores sem sucesso. Nesses oito duelos, incluindo a goleada de sexta-feira, em Dakar, os “Mambas” sofreram seis derrotas e obtiveram dois empates, marcando três golos e sofrendo 18.O primeiro confronto com o Senegal remonta do CAN86, no qual os “Mambas” perderam, por 20. O segundo a aconteceu em 1991, na fase de qualificação para o Mundial94, com a derrota em Dakar, por 16, sendo que o terceiro, em 1992, os “Mambas” sucumbiram novamente, desta feita em Maputo, por 10.O quarto confronto aconteceu a 2 de Setembro de 2006, com a derrota (02) em Dakar, para a primeira jornada do Grupo “7” de acesso ao CAN2008. Já em Maputo, as duas seleções empataram sem golos no jogo da segunda volta. O sexto confronto aconteceu em 2021, no Torneio da COSAFA, na África do Sul, com a vitória senegalesa, por 10. No ano passado, também para o Torneio da COSAFA, as duas seleções empataram a uma bola, mas com o Senegal a ganhar na lotaria dos penaltis, por 42, no jogo de atribuição do terceiro lugar. Será desta que os “Mambas”, finalmente, ganham amanhã?

QUALIFICAÇÃO PARA O CAN2023“Mambas” tentam enxugar lágrimas de Dakar no ENZ Depois do descalabro em Dakar, “Mambas” concentram-se para o jogo de amanhã no Zimpeto Discussão acesa entre Zainadine e Chiquinho! O JOGO de Dakar não só fica marcado pela goleada (15), mas também por atitude reprovável e irrefletida de Zainadine, um dos “centrais” dos capitães por se insubordinar ao selecionador nacional, Chiquinho Conde. Tudo começou no intervalo quando Chiquinho Conde disse ao jogador que não estava a fazer devidamente as marcações o que de certa forma fez com que os senegaleses conseguissem golos fáceis no primeiro tempo. Essa observação do técnico não agradou a Zainadine que levantou a voz e disse a Chiquinho Conde que não estava em condições de lhe ensinar a jogar futebol, pois ele (Zainadine) é um atleta experiente e categorizado sem nada a aprender nesta modalidade. O clima aqueceu e azedou, sendo que depois da palestra do treinador o capitão do Marítimo permaneceu no balneário sozinho, recusando-se a regressar a jogo. A retoma da partida após o intervalo teve perto de três minutos de atraso por causa de Zainadine que só regressou ao retângulo depois de convencido por Bruno Langa.

O jogador cumpriu a segunda parte visivelmente tenso e depois da partida continuava com cara de poucos amigos e Chiquinho Conde também ficou bastante chateado com o cenário, chegando (o selecionador) a trancar-se sozinho num dos compartimentos do balneário, a ponto de até não ir à conferência de imprensa. Já no hotel, Zainadine não quis jantar na noite “fatídica” e esperou longamente por Chiquinho que concedera entrevista à imprensa moçambicana antes do jantar para, juntamente com os outros capitães (Domingues e Mexer) ajustar contas com o treinador. A conversa não foi boa e Zainadine decidiu abandonar a Seleção Nacional em definitivo naquele momento e regressar a Portugal. Dominguez e Mexer tentaram lhe demover, mas mostrou-se irredutível. Só com diligências de um dos representantes da direção da FMF é que Zainadine mudou de ideia e viajou com a equipa para Maputo onde amanhã há mais um jogo com Senegal. No sábado, no início da viagem para Maputo (que só terminou na tarde de ontem) Zainadine andava separado dos restantes colegas e não se dirigia a ninguém durante o percurso, numa clara demonstração de insatisfação. Chiquinho Conde, refira-se, foi contratado como selecionador nacional com indicações expressas dos capitães Zainadine, Mexer e Dominguez, o que faz deste trio “intocável” nos “Mambas”. Chiquinho e Zainadine de costas voltadas Ruanda pode ascender ao segundo lugar Guiné-Bissau a uma vitória da fase final Guiné no segundo posto, mas se os guineenses vencerem passam a liderar com nove pontos e aguardarão pelo embate de amanhã entre o Egipto, atual líder, e o Malawi, para saberem se continuam no trono.