Leilão de rubis atinge preço recorde

A Montepuez Ruby Mining (MRM), empresa que explora Rubis de Namanhumbir em Montepuez, na província de Cabo Delgado anunciou a venda de gemas, há dias, a um valor considerado recorde de todos os tempos.
Através de uma sessão realizada virtualmente, a companhia diz ter vendido as gemas a 88.8 milhões de dólares americanos.
Ângelo Zandamela, director dos Recursos Humanos da MRM, explicou que neste momento estão em curso os cálculos para apurar os impostos decorrentes da venda de Rubis para os cofres do Estado.

Informou que se trata do segundo leilão realizado este ano, sendo o primeiro ocorrido no mês de Abril do presente ano e os dois renderam a MRM, um total de 144 milhões de dólares americanos.
Falando ao “Notícias”, a fonte disse que os dois últimos leilões foram realizados virtualmente por imperativos impostos pela pandemia da Covid-19, e que os compradores estiveram atentos em praças na Tailândia.
Acrescentou que a empresa encontrou esta alternativa de vender os Rubis para contornar a crise pandêmica que não permite juntar compradores e vendedores numa única praça.

Zandamela fez saber que, desde 2014, ano de início das vendas dos Rubis de Namanhumbir, a empresa já ganhou em leilões, cerca de 646 milhões de dólares tendo o Estado moçambicano encaixado até a data, 96 milhões de dólares em impostos decorrentes das vendas.
O leilão a preço recorde acontece numa altura em que a empresa Montepuez Ruby Mining foi distinguida pela sétima vez consecutiva, o maior contribuinte de impostos na província de Cabo Delgado.
A entrega do certificado da referida distinção, foi orientada pelo secretário do Estado na província de Cabo Delgado António Supeia.

Há dias, a Mwiriti Ltda, empresa moçambicana que detém 25% de acções na empresa Montepuez Ruby Mining (MRM), disse em comunicado de imprensa que “Notícias” teve acesso, que os relatórios do Banco de Moçambique (BM) demonstram que MRM é líder de entrada de divisas com 94% provenientes de gemas em Moçambique concretamente Rubis, Safiras e Esmeraldas desde Janeiro de 2011 até Junho de 2021.
O comunicado refere que, no âmbito da responsabilidade social e corporativa, a MRM investiu até a data, 4.3 milhões de dólares em projectos de educação, saúde, agricultura para as comunidades locais, para além de estar a contribuir para a conservação da vida selvagem na Reserva Nacional de Niassa e no Parque Nacional das Quirimbas.

No que se refere à empregabilidade, ainda de acordo com o documento, a MRM desde 2012, gerou um total de 1.438 empregos e no âmbito de criação de competências para os jovens de ambos os sexos, construiu um centro de formação profissional em Namanhumbir que custou 1.4 milhões de dólares e em três anos em parceria com IFPELAC, irá formar 300 jovens em diversos cursos profissionais.
A Montepuez Ruby Mining tem uma licença de mineração na região de Namanhumbir que cobre uma área total de cerca de 350 quilómetros quadrados, constituindo a maior mina de Rubis do mundo, cuja licença concedida é válida até 2036.
O Governo de Moçambique recebeu desde o início da exploração de Rubis, acima de 158 milhões de dólares em royalties e outros impostos.