Ferroviário da Beira nas meias finais

O FERROVIÁRIO da Beira derrotou ontem Ulinze Warriors do Quénia, por 82-59, no Wembley Arena, Joanesburgo (África do Sul), em jogo da última jornada do Grupo H2 da Divisão Este de acesso a Basketball Africa League (BAL).
Os “locomotivas” de Chiveve terminaram o seu grupo em primeiro lugar com quatro pontos. Na terça-feira, recordese, os representantes nacionais venceram o Cobra Sport por 30 pontos (76-46).
Já nas meias-finais, o Ferroviário da Beira fica a uma vitória da fase final da BAL, a disputar-se em Março do próximo ano. Entretanto, mesmo sem vencer, a equipa treinada pelo espanhol Luiz Hernandez ainda pode fechar a última vaga, das três disponíveis na Divisão Este.
Ontem, a equipa esteve com níveis baixos, relativamente ao jogo inaugural. Aliás, entrou a perder 0-4, mas Ubisse tratou de acordar a formação moçambicana. O primeiro ao estímulo foi Ismael Nurmamad, e de que forma! O extremo da Selecção Nacional atirou uma “bomba”.

[inline_posts box_title=”Recomendamos” align=”alignleft” textcolor=”#000000″ background=”#f2f2f2″]48, 51, 60[/inline_posts]Contudo, o Ulinze, sabendo que tinha a obrigação de ganhar, respondeu à altura, potenciando os seus lançamentos exteriores. O Ferroviário da Beira denotava muita ansiedade. Luiz Hernandez mexeu no seu cinco fez entrar Alberto Senda e Orlando Novela, relegando Perry ao banco.
A equipa defendeu à zona e ficou mais combativa, mas com poucas soluções ofensivas. A jogar praticamemnte com o seu segundo cinco, o primeiro quarto terminou com triplo de Senda, colocando o “score” em 20-12.
O segundo quarto continuava com pouca produção ofensiva. Helton Ubisse e William Perry voltaram ao meio do segundo quarto para colocar ordem em campo. O Ferroviário da Beira até vencia por 11 pontos (27-16), mas longe da sua habitual prestação. Seria Perry a ajudar a equipa a ir ao intervalo a vencer por 45-28.

“LOCOMOTIVAS” DOMINADORES
Ao intervalo, os “locomotivas” de Chiveve tinham concretizado 13 das 24 tentativas nos cestos de dois pontos (54 por cento), bem acima dos 21.43 por cento conseguidos pelo Ulinze, que apenas concretizara três das 14 vezes. Na marca dos três pontos o Ferroviário da Beira concretizou quatro das 10 tentativas (40 por cento). O Ulinze também conseguiu quatro, mas depois de atirar por 16 vezes (25 por cento).

Nos lançamentos livres, a equipa nacional foi feliz em sete das 10 vezes que os seus atletas foram à linha dos lançamentos, ficando nos 70 por cento. Já o seu adversário chegou aos 83,3 por cento, depois de concretizar 10 dos 12 lançamentos livres a que teve direito. Com objectivo de impor maior dinâmica à sua equipa, Luiz Hernandez devolveu melhor cinco ao campo, composto por Ismael Nurmamad, Elves Honwana, Helton Ubisse, William Perry e Jermel Kennedy. Foi esta estrutura que conferiu segurança. Todavia, teve que esperar dois minutos e meio para ver a sua equipa a marcar. De resto, foi um terceiro período pouco produtivo, que terminaria com Ferroviário da Beira a vencer por 61-42.

No derradeiro quarto a equipa nacional começou a marcar, mas depois abanou. Dois “turn overs” permitiram ao Ulinzi dois triplos. Mas Ayad respondeu com triplo. Disputados três minutos, os “locomotivas” de Chiveve venciam por 21 pontos (72-51), uma vantagem que chegou aos 23 pontos (82-59) no final.

Em termos globais, o Ferroviário da Beira somou 54.17 por cento nos dois pontos, contra 32.26 do Ulinze. Nos lançamentos de três pontos a equipa nacional esteve igualmente em vantagem, fazendo 40 por cento contra 28.57 por cento da equipa queniana. Nos lançamentos livres foi 70 por cento contra 68.18 por cento.
Individualmente, Egídio Zandamela, atleta que os “locomotivas” de Chiveve foram buscar ao Costa do Sol, foi o MVP. O poste marcou 17 pontos, seis ressaltos (três ofensivos e outros tantos defensivos) e uma assistência.