Criados cerca de trinta mil postos de trabalho.

Criados cerca de trinta mil postos de trabalho

Cerca de trinta mil postos de emprego foram criados, nos últimos três anos, beneficiando, maioritariamente, jovens que desenvolvem as suas atividades em diferentes sectores, com destaque para o da agricultura, comércio, construção e turismo. João Maganizo, diretor provincial da Juventude, Emprego e Desporto no Niassa, revelou o facto recentemente num encontro com representantes de organismos nacionais e internacionais que cooperam com o governo na descentralização. Na ocasião o dirigente precisou que, em 2020, cerca de 6230 jovens, 1.080 dos quais do sexo feminino, foram afetos nas áreas supracitadas.

No ano seguinte foram criados 10392 postos para jovens, 3236 dos quais do sexo feminino. Em parte este desempenho ficou a dever-se ao levantamento das restrições que tinham sido impostas no contexto da pandemia do novo coronavírus, o que permitiu que vários sectores de atividades retomassem as suas atividades em pleno, no ano passado, com destaque para os sectores do comércio, indústria de processamento, construção civil e turismo, facto que contribuiu para o aumento das oportunidades de emprego. João Paganizo precisou que foram criados, desta forma, 12.741 novos postos de emprego nas áreas supracitadas, no ano passado, 3610 dos quais ocupados por jovens do sexo feminino. Ainda no mesmo âmbito, o sector da Juventude, Emprego e Desportos disponibilizou, nos últimos três anos,185 kits para 482 jovens, para além da promoção de cursos profissionalizantes, treinamento em habilidades para a vida e gestão de negócios para2367 pessoas deste grupo alvo. Esta facilidade contou com o apoio financeiro da SNV, uma organização não-governamental holandesa, através do projeto Dealba, suportado financeiramente pela Embaixada da Suécia. Durante o encontro, João Maganizo lamentou a falta de apoios, sobretudo financeiros, de parceiros internacionais para a concretização de várias iniciativas que o sector desenhou no quadro do plano quinquenal do governo. Frisou que a disponibilidade de recursos financeiros poderá garantir a participação efetiva da juventude do Niassa no processo de desenvolvimento sustentável da província. Entretanto, o conselheiro técnico da descentralização no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Cristian Pedraza, mostrou reservas na sustentabilidade da estratégia do governo de alocação de kits para o desenvolvimento da agricultura, do corte e costura, vulcanização de pneus, agro processamento, entre outros. Maganizo sossegou, referindo que os kits são alocados aos jovens que desenvolvem actividades nos vários domínios.

“Os kits de autoemprego que entregamos fazem parte do apoio material que o beneficiário precisa para caminhar sozinho rumo a autossustentabilidade das actividades que desenvolve. Julgamos que dificilmente poderá vender esses instrumentos porque ele trabalha com outros jovens empregados por ele”, ajuntou o dirigente