CPLP desenha nova visão em prol do turismo

A COMUNIDADE dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) está em busca de uma nova visão
de desenvolvimento com vista a explorar o potencial que cada Estado membro dispõe para atracção de turistas e investimentos.

Para efeito, a cidade de Luanda, capital de Angola, acolheu a reunião dos Ministros do Turismo da CPLP, na qual cada Estado membro apresentou a sua contribuição. Moçambique fez-se representar por uma delegação chefiada por Fredson Bacar, Vice-Ministro da Cultura e Turismo.

O governante explicou que para além da declaração de Luanda, foi aprovado o relatório do grau de realização do Plano Estratégico de Cooperação Cultural Multilateral 2014-2020, adoptado em Maputo.

“Foi igualmente aprovado um novo plano para o período 2022-2026”, disse.

O evento debateu também a contribuição do turismo para a recuperação sócio-económica sustentável da CPLP no pós-Covid-19, desafios e oportunidades”.

Durante a sua estada em Angola, Bacar participou nas cerimónias centrais de celebração do Dia da Cultura e Língua Portuguesa da CPLP e manteve encontros com os chefes das delegações de Portugal, Guiné Equatorial e Guiné Bissau.

“Em todos os encontros foi passado em revista o estágio da cooperação cultural e debatida a necessidade do seu fortalecimento, particularmente no domínio das indústrias culturais e criativas e a promoção da cultura lusófona no geral, tendo a Guiné Equatorial convidado Moçambique a participar na semana da cultura da CPLP que se realizará naquele país, em 2023”, disse.

O governante participou ainda num debate político que se debruçou sobre repensar o acordo de mobilidade, livre circulação, facilitação de vistos e conectividade, turismo e investimentos sustentáveis, entre outras acções.

À margem destas reuniões, decorreu ainda uma feira de turismo e foram realizados vários debates que versaram sobre temas diferenciados, orientados por personalidades da elite dos escritores da lusofonia.

O Escritor Ungulani Ba Ka Khossa, a cantora Isabel Novela, o Instituto Nacional das Indústrias Culturais e Criativas e o Instituto Nacional do Turismo são, de entre outros, os que representaram presencialmente Moçambique na capital da Cultura e Turismo da CPLP.