Professores angolanos interrompem greve

PROFESSORES universitários angolanos decidiram ontem interromper a greve, que durava desde 3 de Janeiro e co previsão de término em Outubro, a pedido dos bispos católicos, que reconhecem a razão dos professores e recomendam ao Governo a resolver o problema. A medida foi anunciada ontem pelo secretário-geral do Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Superior (SINPES) angolano, Eduardo Peres Alberto, dando conta que os docentes “acataram os apelos da Igreja Católica e dos respectivos bispos”. Segundo Eduardo Peres Alberto, os professores responderam ao apelo dos bispos porque admitem que os estudantes “estão a ser prejudicados” com a paralisação das aulas. Um aumento salarial, melhores condições laborais, pagamento da dívida pública e eleições dos corpos directivos das instituições públicas do ensino superior constituem algumas das reivindicações dos professores.