Muçulmanos celebram Eid al-Fitr

O MUNDO muçulmano celebrou, ontem, o fim do jejum de 30 dias imposto pelo mês sagrado do Ramadão, durante o qual os crentes se abstêm de comer e beber entre o nascer e o pôr-do-sol.

O festival de três dias Eid al-Fitr, que marcou o fim do mês de jejum do Ramadão, começa com o primeiro avistamento da lua nova, e muitas vezes varia de país para país. As celebrações começam com uma oração matinal especial em mesquitas e espaços ao ar livre e depois passam para festas.

Este ano, o Eid al-Fitr ocorreu em meio a um aumento nos preços globais dos alimentos, exacerbados pela guerra na Ucrânia. Apesar disso, os muçulmanos de todo o mundo aproveitaram o feriado ou tolerância de ponto e a flexibilização das restrições ao coronavírus nos seus países para celebrar a data.

O fim do jejum é normalmente assinalado em família, com mesa cheia e celebrações que podem durar, nalguns países, até três dias marcados pela oração e pela partilha. Mas para outros, as festividades foram marcadas por conflitos e dificuldades económicas.

Na maior mesquita do Sudeste Asiático, dezenas de milhares de muçulmanos participaram das orações na Grande Mesquita de Istiqlal, na capital da Indonésia, Jacarta.-(Aljazeera)