INCM HOMENAGEIA FUNCIONÁRIOS

INCM HOMENAGEIA FUNCIONÁRIOS
INCM

Quinze funcionários da Autoridade Reguladora das Comunicações – INCM, desligados da instituição no primeiro semestre deste ano, foram homenageados, por passarem à reforma, uns por terem atingido a idade e outros pelo tempo de serviço.

Trata-se de Adriana Miranda, António Cuna, Arnaldo Nhavene, Celeste Mingana, Crisanta Manhiça, Edmundo Manhiça, Francisco Chate, Francisco Júnior, João Cossa, Júlio Buque, Júlio Munjovo, Mário Nihatxamana, Miguel Igrejas, Salomão Calangue e Selemane Ossemane. Estes receberam diplomas de mérito, durante o almoço oferecido pelo Conselho de Administração, hoje, 30 de Junho.

Os homenageados, que na sua maioria acompanharam o INCM desde a sua criação e viveram os principais momentos que marcaram a evolução do Regulador, afirmam saírem com consciência de “missão cumprida”, recordando que é preciso deixar legado para outras gerações, e não levar consigo todo o saber que adquiriram durante o tempo de serviço. Por via disso, confirmam sua disponibilidade para colaborarem continuamente com a instituição.

Na ocasião, o Presidente do Conselho de Administração, Tuaha Mote, explicou que a instituição não estará distante deles, uma vez que constituem quadros de reserva, e com muita bagagem para contínua colaboração.

“Estão desligados, mas continuam referência para o INCM, por isso ainda podem ser solicitados para darem o vosso contributo para o desenvolvimento do sector. É nossa missão continuar o vosso legado dos cerca de 30 anos”, disse.

Helena Fernandes, Administradora de Assuntos Corporativos, disse ao colectivo que o encontro de hoje não é uma despedida, mas uma homenagem àqueles que deram muito de si e se sacrificaram para o INCM estar no patamar em que hoje se encontra. Acrescentou ainda que estes quadros são a história da instituição, por isso merecem homenagem a vários níveis.

Falando em representação do grupo, António Cuna aconselhou aos herdeiros do INCM a preservarem os princípios de valorização dos interesses da nação, acima dos pessoais. “Para se chagar aos 35 anos de serviço ou mais, e ir a reforma, é preciso que haja boa dedicação, sacrifício e bom comportamento. Não é mera contagem de tempo, por isso este é um gesto merecido, e é preciso que os outros funcionários saibam deste acontecimento, porque são a continuidade

Fonte:incm.gov.mz