Governo recusa dialogar com os médicos grevistas

Governo em negociações com médicos
Jornal Noticias

A recusa do Governo em dialogar com os médicos grevistas demonstra uma trapalhada das grandes. O Executivo, definitivamente, está à deriva. É uma orquestra com um maestro bêbado. Não pode haver harmonia.

É que antes da arrogância do Governo tem de se colocar em primeiro lugar o interesse nacional. E qual é o interesse nacional? A retoma do diálogo entre as partes a bem dos utentes das unidades sanitárias do sector público.

Não se brinca com a saúde. O nosso Sistema Nacional de Saúde já é deficitário, imaginem agora com a greve dos médicos. E temos um Governo irresponsável que no lugar de sentar à mesa do diálogo diz que vai marcar faltas aos médicos “faltosos”- grevistas. Este Governo pifou de vez.

Não estamos a dizer que o Governo tem que dar dinheiro aos médicos. Estamos a dizer que deve aproximar-se a eles e ouvi-los. Esse esticar da corda não vai resolver as reclamações dos grevistas. A não ser que o plano do Governo seja o de diminuir a população moçambicana para ficar a banquetear-se sozinho com os dividendos da exploração do gás. O Governo não precisa de hospitais públicos. São para o povo. E é o povo que sofre pela ausência do médico no hospital.

Se o dinheiro que o médico reclama fosse para o ministro, há muito que lhe teriam dado. Há falta de foco. Também não se podia esperar muito de um Governo dirigido por um gatuno que só não está preso porque é o chefe, de facto, do Ministério Público. Beatriz Buchili só está lá para decorar, é corta-fitas.