Gasolineiras querem revisão dos preços de combustíveis

A ASSOCIAÇÃO Moçambicana de Empresas Petrolíferas (AMEPETROL) defendem  uma revisão, dentro de um mês, dos preços de combustíveis actualmente em vigor no país. Segundo sustentam,  este posicionamento visa evitar dias piores no fornecimento ao mercado nacional.

O presidente da AMEPETROL, Michel Ussene, afirmou que das trinta empresas gasolineiras associadas apenas dezasseis estão activas,  enquanto que as restantes pararam de importar combustíveis ou o fazem com dificuldades.

A fonte, que falava ontem, numa conferência de imprensa em Maputo, frisouainda que as gasolineiras apenas dispõem de um “stock” de combustível suficiente para abastecer o mercado nacional nos próximos 20 a 29 dias.

“A situação financeira das empresas vai piorar, por isso, apelamos ao Governo para encontrar um mecanismo de ajuste do preço de uma forma gradual com benefícios para as gasolineiras, consumidores, a economia, bem como a competitividade do mercado moçambicano. Antevemos um mês de Maio muito complicado”, afirmou.

Acrescentou que a situação é também agravada por uma dívida de cerca de 120 milhões de dólares que o Governo tem para com as gasolineiras valor que, segundo sustenta, caso fosse disponibilizado, aliviaria o problema de tesouraria das petrolíferas.

Na conferência de imprensa, Michel Ussene alertou para o facto de Moçambique estar a subsidiar o combustível de alguns países vizinhos, visto que motoristas oriundos  da região preferem abastecer  os seus camiões e adquirir o
produto aqui, devido aos baixos preços praticados pelas devido aos baixos preços praticados pelas
gasolineiras.