DIA INTERNACIONAL DO TRABALHADOR: Artistas clamam pela valorização

OS artistas moçambicanos saíram ontem à rua, em Maputo, para marchar com intuito de exigir à sociedade que lhes trate como trabalhadores.

A marcha foi promovida em celebração do 1° de Maio, Dia Internacional do Trabalhador. A manifestação reuniu diversos artistas, sob lema “Artista consciente, artista com valor”, e culminou na Escola-Museu de Teatro, onde foi abordado o tema: “Artes nos dias de incerteza, perpectiva e desafios”, conduzido pela professora Alda Costa e o músico Roberto Chitsondzo. Segundo o artista Elvin Dias, o evento tinha como objectivo consciencializar a sociedade que a arte também é trabalho, por isso, deve ser valorizada.

“Há muitos anos em Moçambique olhava-se a arte como diversão, não como trabalho, há quatro anos começamos a reivindicação dos direitos trabalhista, um grande desafio de chamar atenção da sociedade que o artista é trabalhador como outro qualquer”, disse.

Anotou que apesar de não haver ainda um estatuto que regule o artista, está em curso a sua elaboração junto com o Ministério da Cultura e Turismo, isso não pode impedir o reconhecimento destes fazedores de artes como trabalhadores.

O actor Dadivo José reforçou a ideia de que o artista deve ser olhado como trabalhador e valorizado. Muitos não têm a dimensão do trabalho que é efeito por detrás da arte.

“Este país tem problema muito grave em lidar com as artes, sob ponto de vista laboral. Não se percebeo regime de trabalho do artista, as horas que eletrabalha e como é remunerado. É preciso pagar o artista pelo seu trabalho”, explicou.

Para a bailarina Clemencia Manjate, a sociedade não deve olhar apenas a arte como diversão, deve compreender que é trabalho através do qual se sustenta uma família. “Este dia é muito importante para o artista em particular. A arte é muito marginalizada.

Quando nos solicitam para um trabalho, o valor não corresponde. Mesmo assim não paramos de fazer a nossa arte”, disse, acrescentando que pretende mostrar à sociedade que a arte é muito importante para o dia-a-dia de cada cidadão, porque ela faz parte da vida.