Biden aponta desafios “alarmantes” à democracia no mundo

A DEMOCRACIA enfrenta “desafios con-tínuos e alarmantes” em todo o mundo, afirmou ontem o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, na abertura de uma cúpula virtual sobre a democracia com participação de representantes de cerca de 100 países.
Biden estimou que a tendência “aponta em grande parte na direcção equivocada” e que a democracia precisa de “heróis”.

[inline_posts box_title=”Recomendamos” align=”alignleft” textcolor=”#000000″ background=”#f2f2f2″]48, 51, 60[/inline_posts]“Estamos em um ponto de inflexão”, acrescentou. “Permitiremos que o retro-cesso dos direitos e da democracia continue de forma desenfreada?”, questionou.
Para a Casa Branca, o encontro, que acontece virtualmente devido à pandemia da Covid-19, encarna a liderança dos EUA numa luta existencial entre democracias e ditaduras ou autocracias.
“Não se enganem, estamos num momento de avaliação democrática”, afirmou Uzra Zeya, subsecretária norte-americano de Estado para Segurança Civil, Democracia e Direitos Humanos.

“Países de praticamente todas as regiões do mundo experimentaram graus de retrocesso democrático”, advertiu.
A cimeira, que começou com as palavras de Biden e do seu secretário de Estado, Antony Blinken, conta com a par-ticipação de representantes de quase 100 governos, além de organizações não-governamentais (ONG), empresas, organizações filantrópicas e parlamentos.
Entretanto, a lista dos países escolhidos para participar na cimeira levanta questionamentos e tensões.
Por exemplo, a China e Rússia, que Biden considera autocracias, ficaram deliberadamente de fora, o que segundo estes países estimula uma “brecha ideo-lógica”.
“Nenhum país tem o direito de julgar vasto e variado panorama político do mundo com um único critério”, escre-veram Anatoly Antonov e Qin Gang, os embaixadores da Rússia e da China em Washington.O que mais irritou Beijing foi o convi-te do Governo americano a Taiwan, ilha que a China continental considera parte de seu território, embora não esteja sob seu controlo. – (SWISSINFO)