Vacinação de reforço contra Covid19 deixa de ser recomendada

Vacinação de reforço contra Covid19 deixa de ser recomendada

 Investigação deve procurar soluções locais para problemas de saúde O GRUPO de peritos em imunização da Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que os reforços adicionais da vacina contra a Covid19 deixam de ser recomendados para o grupo de risco médio, adultos saudáveis com menos de 60 anos.

Os peritos decidiram simplificar os grupos prioritários para a vacinação contra o novo coronavírus, que passam a estar classificados como de risco elevado, médio e baixo. Esta recomendação foi anunciada em conferência de imprensa pela presidente do Grupo Consultivo Estratégico de Peritos em Imunização (SAGE) da OMS, Hanna Nohynek. A fonte explicou que a decisão de simplificar pela primeira vez os grupos de risco teve em conta a redução da severidade da doença e com a elevada imunidade da população, que foi obtida através da infeção ou pela vacinação ou mesmo por ambos os fatores. Neste sentido, os peritos de várias áreas da OMS avançaram com uma abordagem diferente para a vacinação primária e de reforço para cada um destes grupos, apesar deter em conta que a doença vai continuar a evoluir. Os consultores consideram que o grupo de alta prioridade inclui idosos, adultos, jovens com comorbilidades como diabetes e doenças cardíacas, pessoas imuno comprometidas (HIV e transplantadas), grávidas e profissionais de saúde da linha de frente. Para este grupo, o SAGE aconselha a administração de um reforço adicional da vacina seis ou 12 meses após a primeira dose de reforço. A recomendação integra, no grupo de baixa prioridade, as crianças e adolescentes.

A DIRECTORA do Serviço Provincial de Saúde em Inhambane, Sónia Malesso, defendeu que a ciência deve estar alinhada com os propósitos da sociedade, principalmente no que toca à provisão do seu bem-estar. No seu entendimento, o alinhamento entre o conhecimento científico e inovação, como pilares de desenvolvimento nacional, são um imperativo para a prática de uma investigação científica consciente e patriótica. Sónia Mahesso falava recentemente em Inhambane, no contexto do primeiro Dia Aberto de Pesquisa em Saúde, um evento que teve como objetivo a partilha de experiências e divulgação de resultados de pesquisas realizadas nesta parcela do país, com vista a contribuir para a promoção de investigação local.

Diocreciano Bero, em representação do Instituto Nacional de Saúde (INS), desafiou os participantes a redobrar esforços com vista o alcance de soluções locais para os actuais desafios que o país enfrenta, em particular a província. Segundo Bero, as políticas e práticas baseadas em evidência científica devem constituir a base para a melhoria sustentável da saúde e bem-estar do povo moçambicano. Foi nesta senda que desafiou os presentes a procurarem soluções adaptadas às condições locais, visando a promoção da saúde naquele ponto do país.

O primeiro dia aberto de Pesquisa em Saúde de Inhambane foi coorganizado pelo INS, direções de Serviço Provincial de Saúde, Núcleo de Investigação Operacional em Saúde de Inhambane, em parceria com a Fundação Ariel contra o SIDA Pediátrico, Olhos do Mundo e o Centro de Colaboração em Saúde. Saudáveis entre seis meses e 17 anos, devendo os países avaliar a vacinação desta faixa etária com base em vários fatores, como o seu contexto específico, carga de doença e as suas prioridades de saúde. As crianças com condições imuno comprometedoras e comorbilidades enfrentam um risco maior de sofrer de Covid19 grave e, por isso, estão incluídas nos grupos prioritários de alto e médio risco, indicam os peritos.

 O SAGE também analisou os programas de vacinação global contra outras doenças, caso da tuberculose, considerando ser urgente e necessária uma vacina que previna a doença em adolescentes e adultos. Os especialistas adiantaram que está a decorrer um esforço para o desenvolvimento de vacinas, com várias candidatas na fase de ensaios clínicos e em estágio avançado, com potencial para receberem autorização regulatória dentro de três anos. (Lusa).