PR já no Uganda para visita de Estado

O PRESIDENTE da República, Filipe Nyusi, encontra-se desde ontem no Uganda para uma visita de Estado a este país da África Oriental, a convite do seu homólogo Yoweri Kaguta Museveni. Durante a visita serão revistos memorandos de entendimento existentes e assinados novos acordos de cooperação.

Quatro questões principais estarão na agenda dos dois estadistas. Trata-se, nomeadamente, de Educação,

Indústria e Comércio, Agricultura e a criação de uma comissão mista. Esta visita marca o fecho do ciclo diplomático na África Oriental por parte do Presidente Nyusi, em busca de uma política externa equilibrada. Importa frisar que muitos dos pontos aflorados em 2018, em Maputo, não tiveram seguimento porque Moçambique foi abalado pelo ciclone Idai e pela pandemia da Covid-19, o que levou o Governo a dar prioridade a assuntos internos.

Na área da Educação será debatida a troca de conhecimento científico entre a universidades Eduardo Mondlane e de Makerere, em Kampala. Makerere é um dos mais prestigiados estabelecimentos de ensino superior da região. Neste contexto, serão feitas trocas entre docentes e estudantes. Aliás, esta prática foi implementada no passado.

A nível da Agricultura serão discutidas formas de cooperação, tendo como base a larga experiência que o Uganda tem, podendo Moçambique ser o local de produção e consequente comercialização e exportação para outros mercados. O Uganda foi considerado, em 2018, um dos cinco maiores produtores mundiais de café. Destacou-se também na produção da banana, batata-doce e é o décimo maior produtor de açúcar, milho, feijão e mandioca.

Na pecuária, o país destaca-se na produção de leite de vaca na região. Para melhor contemplar o grau de produção, será visitada uma   farma-modelo, que consiste na congregação, desde a fase da colheita, processamento e disponibilização no mercado. A nível da indústria e comércio os dois estadistas irão debater as mais-valias do Uganda na implementação de capacitação e produção.

Nos projectos sociais será apreciado o mmodelo ugandês no empoderamento da juventude, com maior destaque para as mulheres.