Mudanças climáticas são prova da fúria da natureza

O REITOR da Universidade Pedagógica de Maputo, Jorge Ferrão, apelou aos estudantes do Instituto Superior Politécnico de Gaza (ISPG) a se interessarem pela biodiversidade, numa altura em que as mudanças climáticas constituem um desafio para o mundo. De acordo com o académico “as mudanças climáticas estão a provar a fúria que a natureza tem. Basta só olhar para o que acontece em nosso redor para perceber quão o planeta tem problemas connosco”.

Dirigindo a aula inaugural no ISPG, Jorge Ferrão referiu que grande parte da biodiversidade enfrenta o crescente risco de extinção, devido às actividades do ramo industrial, agrícola, produção de madeira, mineração e desenvolvimento urbano, colocando em risco as áreas de pastagem de muitos dos grandes mamíferos, com destaque para o rinoceronte negro.

Debruçando-se sobre o tema “Ecologia dos Saberes e Viveres”, fez menção aos efeitos das alterações climáticas sentidos em todo o mundo e, em particular, em África e nos designados países em vias de desenvolvimento. Ferrão referiu que em Moçambique os principais desafios da biodiversidade são frequentes nos últimos 20 anos e manifestam-se principalmente em forma de secas severas, ciclones e chuvas.
Segundo dados avançados pelo académico, entre 2000 e 2022, houve 17 ciclones e/ou tempestades que afectaram o país. “A forma como estamos a gerir o planeta pode nos levar a grandes desastres. Vejamos o que está acontecer na Ilha de Xefina (na baía de Maputo). As águas estão gradualmente a consumir aquela ilha. Por não nser apologista de desgraças não direi que a ilha vai desaparecer,n mas corre esse risco”, antevê.

Em função do que se vive devido às mudanças climáticas, o reitor desafiou os estudantes que acabam de ingressar no ISPG a se preocuparem por assuntos ligados a biodiversidade, que são temas actuais e, por essa via, deixar um contributo. Por seu turno, Mário Tauzene Matangue, director-geral do ISPG, lembrou que esta instituição dedica-se ao ensino, extensão, investigação e incubação, tendo iniciado a leccionação com 1997 estudantes (1056 homens e 941 mulheres) distribuídos por 12 cursos de licenciatura, dois cursos de mestrado e assistidos por 82 docentes, sendo 24 com o nível de licenciatura, 47 com Mestrado e 11 com Doutoramento